Pesquisar este blog

quarta-feira, 23 de novembro de 2005

As contas de Setidon (Nilto Maciel)



Ao aparecer à porta, Setidon sorria cinicamente, como o fazia sempre. Um olhar de relance apenas, o suficiente para perceber sua presença. Sua inútil e insignificante presença. Logo perceberia nossa indiferença por sua pessoa e se retiraria. Com seu eterno sorriso imotivado. Tal não ocorreu, no entanto. E pior: lançou na direção de nossos pés uma porção de continhas. Jogou e riu ainda mais. O terço, ou rosário, (imaginamos que o estranho objeto fosse um desses instrumentos) deslizou mansamente pelo assoalho e quase parou ao pé da mesa. Tivemos a clara impressão de que iria enganchar-se ali. E a brincadeira de Setidon teria um fim sem graça.
Porém, as contas não pararam, foram adiante, umas pela esquerda do pé da mesa, outras pela direita. Logo, o rosário (ou o terço) se partira em dois pedaços. Talvez ao se chocar contra o pé da mesa. Talvez muito antes, noutra brincadeira de Setidon. Ora, nem a cruz havia mais.

Com certeza, Setidon queria fazer raiva a sua mãe, destruindo-lhe o instrumento das rezas repetidas. Ou então nos dar um bom susto, na sua ingenuidade de idiota.

Além de parecer dividido em duas partes e de lhe faltar o crucifixo, o rosário não parava de se mover, arrastava-se pelo chão como um réptil, dando voltas ao redor da mesa e de nos. E só então compreendemos a verdadeira natureza das contas. Não, não se tratava de um rosário de contas, de um objeto, mas de um ser vivo.

Apavorados, olhamos para Setidon. Seu sorriso parecia perverso no seu rosto de idiota. E se pôs a dar gargalhadas. Sim, ele sabia a verdade. Sabia também de nosso imenso pavor.

Depois de dançar a valsa macabra por toda a sala, o bicho de contas se aproximou de nossos pés. Instintivamente, os levantamos. Setidon só faltava morrer de rir. Quando cuidei, as contas subiam por uma das pernas de minha cadeira. Dei um grito e corri. E o mesmo fez Posesa.

Corríamos em círculo pela pequena sala, a tropeçar nos móveis, bater nas paredes, tontos. Atrás de nós corria o bicho. Parecia uma enorme aranha, feita de partículas redondas como as contas negras de um terço.

Passados alguns minutos, o animal parou a um canto, possivelmente cansado da correria. Aproveitamos o intervalo (ele voltaria a nos perseguir, com certeza) para exigir explicações de Setidon. Afinal, aquilo era um ser vivo ou apenas um objeto animado? Deixasse de brincadeiras de mau gosto. O idiota, no entanto, não parava de rir, postado à porta, e na-da dizia.

Enquanto eu procurava dialogar com o inimigo, Posesa sentou-se à janela e, num átimo, desapareceu, para logo reaparecer, de vassoura em punho. Setidon ainda tentou impedir o gesto fatal de Posesa. De um só golpe, ela espalhou as contas por toda a sala.

Liberto do medo, apressei-me a colher uma das continhas. O bicho não mais existia, desmanchara-se.

Armada, Posesa postou-se frente a Setidon. Ousasse enfrentá-la, reunir as contas. Fosse homem. Ele recuou, os olhos fitos nas partículas negras espalhadas pelo chão.

De posse de uma continha, examinei-a com os cinco sentidos. Nada de vida, de matéria orgânica. Uma simples conta de rosário. E me pus a rir, a pisar as bolinhas negras, vitorioso. Setidon, então, se deu conta do desastre e caiu em lamentações: vocês mataram minhas contas, vocês mataram minhas continhas! Exasperei-me. Como podíamos matar um simples objeto, um amontoado de partículas sem vida? Criasse juízo, deixasse de idiotices.

Posesa varria as contas para fora da sala, despreocupa-da, a cantarolar uma canção antiga. Precisava limpar a casa. Ao varrê-las, no entanto, as reunia, inconsciente. E, ao reuni-las, dava-lhes de novo vida. Sim, juntas as continhas fugiram ao controle da vassoura e rapidamente deslizaram, como um réptil. “Mate o bicho”, gritei, mais uma vez apavorado, enquanto subia a uma cadeira.

Setidon voltou a sorrir e depois a gargalhar. E, não fosse a coragem de Posesa, seu riso idiota nos dominaria. Uma segunda vassourada espalhou pela sala as continhas.

(6/2/76 e 10/11/87)
/////