Pesquisar este blog

sábado, 26 de agosto de 2006

Amapa (Nilto Maciel)



 
Liana Bennato sorriu e fez mais uma pergunta. Se Amapa conhecia o Amapá. O grande astro também sorriu e tudo nele brilhou: os dentes, os olhos, os brincos, o cabelo.

O homem e a mulher não despregavam os olhos da televisão, enquanto as crianças brincavam, sentadas a um canto da sala.

— Não façam barulho.

Amapa não parava de sorrir e brilhar, e a bela repórter enrodilhava-se toda diante dele. O grande público certamente delirava à frente dos televisores. Como o homem e a mulher que ralhavam com as crianças em brincadeira. 

— E a origem de seu nome?

— Eu já havia escolhido meu nome artístico, quando uns amigos criaram Amapa. Segundo eles, muito mais comercial.

Liana Bennato repetiu para os telespectadores o vasto nome de batismo do artista: André-Maria Ampére Parente.

— Alguma homenagem, Amapa?

— Acredito que à eletricidade. Meu pai era eletricista.

— Você se refere à palavra ampère, não é? E de onde vem André-Maria?

O homem e a mulher sacudiram-se no sofá e chamavam a atenção das crianças para a entrevista.

— André e Maria, vejam, vejam!!!

— Que coisa mais linda! — derretia-se a mulher.

A loira repórter também brilhava diante das luzes: qual teria sido então o nome artístico dado a si mesmo por Amapa?

— A. Parente.

— Não, não ia ficar bem — considerou o homem.

— Eu preferia Amperente — luziu a mulher.

Nem assim os dois pequenos desviaram a atenção de suas bugigangas.

— Amapa, fale-nos de seus planos para este ano.

O grande astro falou primeiro do disco a ser gravado nos Estados Unidos e, em seguida, passou à turnê pela Europa.

O homem e a mulher continuavam ligados à tevê, olhos arregalados, ouvidos abertos, respiração presa. Amapa cativava ambos os sexos, agradava a gregos e troianos, compunha, cantava, dançava. Um poeta inimitável.

— Compre o disco novo do Amapa — ordenava a mulher.

— Já comprei — adiantava-se o homem.

Ora, então ia deixar de ter à mão aquela voz maravilhosa? Há mais de dez anos acompanhavam o sucesso de Amapa. Desde o primeiro LP.

— Você se lembra, meu bem?

— Claro que me lembro.

Havia até um cantor muito parecido com ele.

— Quem era, hem?

— Não me lembro agora.

As crianças não ligavam para a televisão, nem para o homem e a mulher extasiados diante dela. Preferiam brincar. E tudo lhes servia de brinquedo. Tudo o que não interessava mais ao homem e à mulher.

— Me dá isso, pai.

E a velha lista telefônica virava aeroporto. Os aviões nem sempre tinham asas e só faltavam se espatifar na hora do pouso.

— Não façam barulho, filhinhos.

No televisor, Amapa cantava trechos de uma das músicas do novo disco. A repórter delirava. O homem e a mulher deram-se as mãos.

— Amapa, sempre Amapa.

Os pequenos esfregaram um objeto no chão da sala. Uma velha capa de disco. Ora, aquilo irritava. Parassem já com a esfregação.

— Amapa, conte-nos aquela história da festa – pediu Liana.

O astro sorriu e tudo nele brilhou: os dentes, os olhos, os brincos, o cabelo. Acreditava no destino. Desde menino sonhava com o sucesso. Um dia, descobriu que se parecia naturalmente com certo cantor de nome L. Veríssimo, então no auge da fama. E resolveu aproveitar-se daquilo, apesar de ser muito mais novo do que o cantor.

— A festa não tinha nada a ver com a música. Era o casamento da filha de um político importante, que, aliás, já morreu. E eu simplesmente fui à recepção, como se fosse L. Veríssimo.

— E ninguém desconfiou de nada?

— Não sei. Só sei que olhavam muito para mim. O resto você sabe.

O homem e a mulher gargalhavam, batiam palmas, faziam o maior barulho, enquanto as crianças rasgavam livros e capas de discos antigos.
/////