Pesquisar este blog

sábado, 27 de janeiro de 2007

O arcanjo e a princesa (Nilto Maciel)


Estando a porta entreaberta, o arcanjo vagou a vista pelo corredor e, sorrateiro, passou ao quarto. Da janela escancarada vinha uma brisa suavíssima. A luz da Lua rebrilhava no leito. A princesa, deitada, dormia. E só então o arcanjo percebeu não ser de lençóis a alvura que o ofuscava. Era do corpo nu da virgem. Sentiu arrepios e voou até a janela. A Lua pareceu-lhe maior e mais radiosa. Junto aos muros do castelo, ladravam cães. Talvez assustassem ladrões. E nada mais parecia vivo àquela hora.
Voltou à beira do leito. A princesa dormia deveras. Alheia às especulações do vento. Com certeza sonhava anjos e paraísos.

Por cautela, o arcanjo fechou a porta. O rei, astuto, podia ter preparado a armadilha. Afinal, vampiros, lobos-maus e homens vis rondavam donzelas dia e noite. Sendo assim, a princesa não dormia. Fingidora! Aliara-se ao pai na funesta intriga. Sim, só isso explicava sua nudez, estando porta e janela abertas.

Quedou-se o arcanjo junto à porta, olhos postos naquele corpo exposto ao pecado. E durante longo tempo esperou um mínimo movimento que o fizesse fugir pela janela. Não, nada se movia na princesa. E o rei, com certeza, também dormia.

Pé ante pé, o arcanjo caminhou no rumo do leito. E pôs-se de joelhos junto ao rosto dela. Os longos cabelos loiros cheiravam a camomila. Os cílios, tão sutis, pareciam veludosos pêlos de boneca. O nariz, a boca, o queixo, tudo no seu rosto lembrava deusas gregas. E o pescoço, o colo, cândidos, macios. O ventre, o pequenino umbigo de donzela, maravilhas intocadas.

Perplexo — nunca vira de tão perto um corpo nu de ninfa — , sentiu anseios de desmaio, de uma dor qualquer, da dor chamada morte. Porém um cheiro de açucena o fez sorrir, querer viver.

Quis beijar aquela flor, lírio-do-vale. Conteve-se. As coxas semi-abertas, alvas, roliças, encantavam-no. E se nunca mais a visse assim, deitada, dormida, imaculada? Ousou tocar a pele da princesa-flor. Mui levemente. Como quem toca pétalas. E, como nenhuma reação houvesse, beijou o púbis inocente, lírio-branco. Olhos arregalados, viu abrir-se a flor. E cheirou corola, estames, gineceu. Beijou-os docemente, feito colibri. Depois, abelha, sugou-os longamente. Lambeu os lábios róseos. Língua eriçada, tocou as pétalas abertas. E tão sem controle se sentiu que, a gemer, caiu exangue aos pés do leito.

Muito depois, o Sol a queimar-lhe o rosto, acordou o arcanjo. De um pulo, pôs-se de pé. A princesa ainda dormia, o corpo nu e abandonado. Vozerio de criados ao longe. Cães latiam. A passarada piava. Festa no castelo.

Cheio de remorsos, o arcanjo quis sofrer. Apalpou o peito: amava. Sorriu. Olhou para o rosto da princesa. Como era bela! Caminhou no rumo da cabeceira. Pôs-se de joelhos. Por que não acordava a donzela? Que sono pesado e duradouro!E nunca mais acordou a princesinha.
/////