Pesquisar este blog

domingo, 1 de julho de 2007

Palmas e tochas (Nilto Maciel)



















Abriu a porta e o som do piano o inundou todo. Não conseguia enxergar nada. A não ser o palco, o pianista, o piano, mesmo assim sob uma luz pouca. Tateou espaldares de cadeiras. Tocou os dedos numa orelha. Ouviu um muxoxo feminino. Seguiu a passo de medo. E se não encontrasse uma cadeira vazia? Já quase acostumado ao ambiente, ainda mal enxergava as cabeças dos espectadores. Todos em silêncio, atentos à música vinda do palco. O artista não tirava os dedos das teclas. O retardatário parava, forçava a vista e nada de ver onde sentar-se. Caminhou mais para as primeiras filas de assento. Diante do palco finalmente viu uma cadeira vazia. Sentou-se, ajeitou-se e olhou para o homem de terno preto no palco. Conhecia a
 música. Talvez de Haendel. Ou seria de Grieg? Nunca conseguia distinguir um compositor de outro. Apesar de dormir ouvindo música erudita. Abominava música popular, principalmente as vozes. Admitia um chorinho. Os espectadores nem sequer tossiam ou espirravam. Pareciam pasmos, extasiados. Fitou a vista outra vez no homem do palco. Parecia encurvado, vestido de smoking, cabeleira desgrenhada cobrindo-lhe o rosto. Passava de uma música a outra, sem intervalos, incansável na sua arte, no seu ofício de pianista. A platéia mal suspirava, contrita. Talvez muitos homens e mulheres cochilavam, dormiam até. Não roncavam, no entanto. Observou com mais atenção as mãos do artista. Não, não podiam ser mãos. A menos que estivessem cobertas por luvas grossas. Mirou mais aos membros do homem de smoking. Sim, eram garras, jamais mãos humanas. Seriam de lobo? Ou o músico, coitado, carregava um defeito grave? Doente, malfeito, deformado, um monstro na aparência. Então como conseguia tocar tão perfeitamente? As pessoas não teriam percebido ainda a deformidade tão visível? Ou perceberam, mas não deram importância àquilo? Ou estariam ruminando suas conclusões, sem terem com quem falar, medrosas? Cochichou ao ouvido de um vizinho. Quem era? O surdo parecia dormir. Como podia um surdo ouvir música? Voltou-se para o outro lado. Quem era? O vizinho sussurrou: Offenbach. Não, não queria saber o nome do compositor, mas o do pianista. O vizinho quis se irritar, mas segredou ainda: Não lhe interessava o pianista. Um desconhecido. O homem insistiu: Você está vendo o estado dele? Tudo muito obscuro. Como não sabiam o nome do pianista? Seria em razão da obscuridade do palco ou do obscurantismo dos ouvintes? Resolveu levantar-se e dirigir-se à beira do tablado. Abaixar-se-ia, iria de joelhos, arrastando-se. Ninguém o veria naquela posição. Olhou com mais afinco para o artista, suas garras. Não havia dúvida, tratavam-se de garras. E bem fortes. Sondou o rosto do homem de preto. Visível o focinho de lobo. Como os outros não percebiam isso? E a cauda, a descer para o chão? Quis gritar, dar um aviso ao público. Não, melhor calar-se, suportar aquilo, aquela angústia, o medo, o pavor. Melhor retirar-se devagar, de joelhos ou pé ante pé e deixar aquele ambiente. Fechou os olhos. Não queria ver aquela monstruosidade. Súbito bateram palmas, mais palmas, estrondosas, contínuas, irritantes. E as luzes se acenderam, feito tochas.
(Abril/ 2003)
/////