Pesquisar este blog

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Sanha (Clauder Arcanjo)

















Na rua,


dois postes irmanados,


um burrico abandonado.




Na casa,


dois seres separados,


um amor vilipendiado.




E eu com os versos sem rima,


em abandono,


desprezados.




Na sanha da métrica,


sumiu o arpejo,


faltou-me o soneto...




E me sobrou este vazio...


maior do que o mundo,


maior do que a poesia.



Mossoró-RN, 08/06/2007

/////