Pesquisar este blog

quarta-feira, 23 de março de 2011

Blues da finitude (Luciano Bonfim)

(Toulouse Lautrec)


1.

Uma pequena chuva, dessas que não divergem opiniões e nos estimulam ao sexo, lambeu por toda a noite a cidade insone.

No descanso das palavras o exercício das carícias, Kama Sutra, edição bilíngüe, Índia-Brasil, página 69.

2.

A luz tênue: [em cima] à esquerda e à direita. Música suave. A agitação dos músculos. Olhos de volúpia e caos. Um perde-encontra. Pretexto. A língua. A mão. Cada coisa acontece fora do tempo e do espaço.

O desejo. A nuca. O chão.

A grande noite. A tua boca. O breve instante.

Um intenso céu. Uma profunda oração.

“Oh! Meu amor! Pela primeira vez na vida meus olhos veem”

A gravitação dos olhos. A alma.

A curvatura da luz. A calma.

Amálgama. Formas e sons.

“Eu vejo as nuvens, eu vejo o céu, tudo está tão claro em meu viver”

3.

...Você a fome eu a comida Eu a sede você a bebida...

4.

...Você a nuvem eu o céu Você as estrelas (o caos a Babel)

5.

Não me encontrando [em meu coração] especializei-me em vislumbrar abismos.

Nas noites de bebida e fumo um único som rompia o silêncio dos umbrais da cidade que não para: o teu nome que prefiro manter em segredo.

Renascia somente em teus braços de silêncio e luz, e em teus olhos milenares de carícias plenas, de volúpia e caos.

Um pouco antes de a angústia incontrolável manifestar-se insana, a paixão apoderou-se, indiferente. Numa celeuma intensa de órgãos que cheiram a vida e gozo, a vida e o gozo aconteceram.

Mesmo com as promessas e juras de amor eterno, mesmo com a efervescência de intensos desejos, mesmo assim, sublime espírito [ou principalmente por isso, súbito amor], executou-nos a finitude de um blues.

E com as cordas de minha guitarra enforquei o meu denso espírito rock’ n’roll.

[Como se não bastasse, hoje os teus olhos me soam falsos e vulgares.]

____________
Luciano Bonfim [Crateús/CE.]. Publicou: Dançando com Sapatos que Incomodam – Contos [2002]; Móbiles – Contos [2007]; Janeiros Sentimentos Poético [1992] s e Beber Água é Tomar Banho por Dentro[2006] – Poesia; escreveu e montou as peças: Auto do Menino Encantado [2002] e As Mulheres Cegas [2000 e 2004]; criador da revista Famigerado – Literatura e Adjacências [2005]; professor da Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA [desde 1996]; aluno do mestrado em Educação Brasileira [FACED-UFC/2006].

e-mail: luciano.bonfim@yahoo.com.br
/////