Pesquisar este blog

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

No jardim de Beatriz (Nilto Maciel)


Acompanho a trajetória literária de Beatriz Alcântara desde os seus primeiros passos (ou os segundos, posto que em 1973 eu não a conhecia ainda e é daquele ano o ensaio La revolte positive de Simone de Beauvoir). Agora, que estamos maduros e preparados para a colheita, somos surpreendidos pelo Anjo, em pleno delito de escrever. E Ele não nos expulsa do Jardim, e nos acolhe, nos afaga, nos chama de crianças. Assim estava eu a matutar, tão absorto quanto um inseto a mirar flores, quando um livrinho colorido pousou diante de meus olhos: O jardim foi-se (Fortaleza: Expressão Gráfica Editora, 2010), de Beatriz Alcântara. Pus-me a lê-lo, desde a capa: Minicontos, microcontos, intervenções urbanas. O papel couché me entusiasmou mais. Tossi, feito gato engasgado. Passei à apresentação, escrita por Linhares Filho. Para o poeta e ensaísta, o novo livro de Beatriz “prende o leitor” (talvez entre galhos verdes, rosas multicoloridas e armas (foices) escondidas,) “pela estrutura inovadora, pela síntese, pela atitude sugestiva, pela integração no tempo atual, por uma espécie de denúncia dos males da existência”. E mastiga, para nós leitores, todos os signos verbais da contista, desde o título: “Entendo que o título O Jardim Foi-se refere-se ao jardim paradisíaco, perdido de modo irremediável pelo homem, implicando isso toda sorte de sofrimento, contratempo e malefício, a ser enfrentada existencialmente pela humanidade, que assiste ao evadir-se daquele lugar de delícias e, com isso, ao ir-se do estado de inocência junto ao gozo da felicidade humana”.

A coleção é ilustrada com fotos captadas por Beatriz em Portugal, Marrocos e no Brasil, de muros e suas pichacões, caixas telefônicas, “cabeças de frade” do Rio de Janeiro, etc. A gente se perde a ver as cidades pintadas anonimamente. Mas, se acha nos minicontos. Cruéis no seu minimalismo, porque de um tempo e um mundo muito distantes do Jardim (que se foi). Para ilustrar este depoimento breve, uma das peças mais curtas de Beatriz Alcântara: “Recrutado, Mário prometeu casar. Eva engravidou. Marieva só conheceu o pai quando herdou a fábrica de velas do avô paterno” (“Guerra sem fim”).
/////