Pesquisar este blog

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Uns versos (Silmar Bohrer)



Um mar sempre em movimento
a nossa vida deve ser,
Lobato exercia com poder
o que era seu pensamento.


Tarde opaca e sombria
nas vacarias do mar,
nenhum barco a revelia
neste mar a navegar.

Versos chegando, fresquinhos,
estes aí da primavera,
nem confeitos nem quimera,
são alguns pobretes versinhos.


As calendas setembrinas
têm o perfume de calêndulas,
e as horas se vão pêndulas
com gostinhos de ambrosinas.


Setembro no dia supino,
primavera enfim voltando,
e os álamos lá no cimo
balouçando... balouçando...
/////