Pesquisar este blog

domingo, 29 de janeiro de 2012

Tormentas de setembro (Cláudio B. Carlos, CC)


O vento enrola novelos de cisco
que escaramuçam no terreiro
Sapos roncam porongos
num chimarrear mais sem fim
Cuscos na proteção dos galpões
dedilham invisíveis cordas
para a dança do pulguedo
Chinoca fechando portas
janelas
e chamando o piazedo pra dentro
Pingos grossos num zás
começam a tamborilar no telhado quente
É de azinhavre o beijo que sorvo
no bocal da bomba...
No revirar das cinzas
a alma encarnada do borralho
São velhas
loucas
as tormentas de setembro...


(Do livro “Memórias do Jirau”)


/////