Pesquisar este blog

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

“Ó beleza! Onde está a sua verdade?” (Tânia Du Bois)



A fórmula que faz você bonita por mais tempo é mágica que mexe com a imaginação e com os sentidos, e que pode ser alcançada através da leitura.

Não é necessário ser novo para ser bonito, mas é preciso ler para adquirir cultura e “flutuar na magia”.

Essa é a verdade!

O maior desafio é modificar uma geração. É ir derrubando uma a uma as imposições até não pairar nenhuma dúvida na cabeça do leitor de que, finalmente, é com seus próprios recursos que baseará a sua independência e a liberdade, sempre investidas nos valores de um bom escritor.

Essa é a verdade!

Para respondermos que sim, precisamos multiplicar a confiança com ousadia, sem perder a segurança, desbravando novos escritores e novas leituras.

Ler: ó beleza! Onde está a sua verdade?

Aqui, abre-se a polêmica sobre obras e autores, entre o que tem valor e o que é descartável ou duradouro.

Segundo Harold Bloom: “Pode ser uma arte em extinção a de ler atentamente com amor, com a emoção de ver como o texto se desdobra. Mas, todo o mundo tem, ou deveria ter uma lista de obras que lhes serviriam de companhia numa ilha deserta.”.

A ideia de escolher obras é estimular a leitura de maior número de livros. A compreensão do que seria importante para a cultura, o que varia de um para outro intelectual. Por exemplo, não é possível que alguém que queira conhecer um país através dos livros, não leia nada sobre a sua flora e fauna.

Outra maneira de se compreender a leitura é começar pelos ensaios, para depois chegar à ficção. Antônio Medina Rodrigues recomenda a leitura de Drummond, que considera “a síntese mais fina e profunda da cultura brasileira”. “... Como viver o mundo / em termos de esperança? /E que palavra é essa / que a vida não alcança?”

A nossa verdade é discutível, pois não basta ler ou reler uma obra; é preciso que o livro seja rico em informações, com imagens bem construídas e que tenha narrativa eficaz, para que os leitores lembrem alguns trechos como constatação definitiva.

Nas palavras do escritor Francisco Alvim: “... mas, tudo isso não é mais sociologia, é agora poesia, essa figurinha difícil que o poeta, sábio colecionador, nos apresenta com suas marcas de possuidor”.

Navegando a ideia da proximidade entre o autor e o leitor, chego à condição literária da beleza comovente do texto de Drummond: “Pois é o amor unidade / multiplicada, e a vida / quando se recolhe aos livros / é para voltar mais vida / em 50 anos de letras / uma flor desenha as pétalas / de amoroso convívio:/ o homem livre e ligado / livre e ligado ao seu próximo / na larga avenida humana / em que beleza e justiça / fazem da espera, esperança”.

/////