Pesquisar este blog

sábado, 28 de abril de 2012

Café (Carlos Nóbrega)



Ajeitei a minha alma dentro da blusa, e fui.
A rua era comprida como a chuva fininha que caía
e que cai na eternidade.
Na birosca pedi um café
e me engasguei elaborando uma frase.
Quem, daqui a cem anos,
viverá
como eu
esta tarde?
 
/////