Pesquisar este blog

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

A fonte (Mariel Reis)


I

 A fonte incessantemente
Murmura o seu nome,
Nada interrompe
Suas mil línguas
De lavrar na pedra
A promessa da eternidade.
Se amor ou o acaso
Desconheço a necessidade
De distingui-los com precisão
Porque segue marcado
Com seu brilho agudo
Dentro de meu coração.

 II

 Não se exaspere com a morte.
É apenas uma palavra -
Mesmo cava dentro do peito -
Repleta de sons agudos.
Não, não se intimide
Com o susto
Embora parte do meu rosto
Permaneça indecifrável
E repouse, nessa sala,
Sob o escuro.

/////