Pesquisar este blog

domingo, 23 de junho de 2013

Jacob (Emanuel Medeiros Vieira)



(Jacob Gorender)

Em memória de Jacob Gorender, falecido em 11 de junho de 2013, e cuja morte não obteve a repercussão que deveria ter tido – se tivesse nascido num país decente e que cultivasse a memória.
(Mas não ele era “celebridade”, não era fútil, nem cantor de pagode, axé, funk, nem de música sertaneja idiotizada – não sertaneja de raiz –, ator de novela ou jogador de futebol).


No calor da hora: informam que morreste.
E foste combatente – mesmo nas trevas.
(Num país de poucos combatentes e de raros pensadores.).
Deixaste um legado (quantos deixam?): foste um denso intelectual marxista,
Um lutador torturado, um pensador.
Quando aprenderemos a conviver com a divergência?
Mas tudo ficou menor – não há debates, mas desqualificação de adversários, e o deslumbramento, a velhacaria, a mediocridade, a ignorância, o saque do bem público e a mais reles futilidade tomaram conta não só dos que estão mandando – mas do país inteiro.
Pior: é uma corrupção interior.
Uma resignação covarde.
E para subir, acreditam que é preciso dar cotoveladas nos outros.
E aí estamos:
Informam que 11% dos assassinatos ocorridos no mundo são cometidos no Brasil.
O que foi feito da chamada “esquerda” brasileira?
Ela existe ainda?
Terá sido inútil essa luta pretérita – quando tantos foram torturados, morreram nas masmorras da ditadura ou passaram os melhores anos de suas vidas no exílio?
Perdoa-me, Jacob:
merecerias um texto mais sereno.
Entende-me, combatente: escrevo no calor da hora.
A gente transfere as ações e obrigações. Não o tempo.
Um dia, as contas serão acertadas e já pagamos um preço tenebroso.
Ilusões perdidas?
O combate continua nas trevas, mais indigno, mais corrompido – adeus, combatente baiano e universal, que se foi aos 90 anos.
(Não somos obrigados a concordar com tudo para respeitar alguém).
Algum farol iluminará essa escuridão (iria qualificá-la de dolorosa), mas prefiro chamá-la (esta sombra) de mesquinha.
(Eu sei: vão me chamar de “pessimista”: há tanta gente com Bolsa-Família e com carnê das Casas Bahia...).
Até!

(Salvador – onde nasceste em 20 de janeiro de 1923 –, junho de 2013).

/////