Pesquisar este blog

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Aéreo (Anderson Braga Horta)


(Tristeza de poeta, de Ianka, colhido em gartic.uol.com.br)

O melhor de mim
está solto no vento.
Mãos, raízes, searas
e outras nuvens que invento.

                               Ai, o melhor de mim
                               no vento é que está.
                               Utopias, pandorgas
                               que menino avento.

Entretanto maduro
para todos os ares,
os semeio, e mais colho
aurassóis: cata-vento.

                               E, arando brisas, onde
                               me lamento, aí canto.
                               Pois o melhor de mim
                               frutifica no vento.

/////