Pesquisar este blog

segunda-feira, 17 de março de 2014

Árido coração (Clauder Arcanjo)




Nas veias, a seiva do espinho
Nas artérias, a cheia bissexta
Nos músculos, o porte do cipó
No sangue, vermelho de dar dó.

Árido, quão árido coração!
Tão árido como meu sertão.

/////