Pesquisar este blog

quinta-feira, 20 de março de 2014

Sessão da tarde (Patricia Tenório)




Era um ladrão bem desligado. Esquecia as armas do ofício em casa, na mesa de bar, na cantina da escola, onde trabalhava meio expediente para ajudar com as contas do mês.
        Não era fácil se lembrar do roubo de cada dia. Então anotava, um a um, na caderneta de papel pautado. Ficava assim imaginando um roubo novo, inventivo. Não queria que suas vítimas o achassem monótono, repetindo as mesmas artimanhas do artista da TV.
Assistia à sessão da tarde toda vez que chegava da escola, onde havia fritado tantas batatinhas, feito quantos hambúrgueres e estava cansado de não sair do lugar. Mas o ator era charmoso, usava um bigode fino e luvas pretas de borracha.
E se ele enfim parasse, no meio da multidão, e exigisse o prêmio por esquecer que era ladrão todo dia, e todo dia inventasse uma nova história de um possível roubo? Ele foi assim, bem decidido, e não se sentia mais desligado do mundo, pertencia ao mundo agora, feito a antena da TV.
No meio da praça, no meio da multidão, deu uns três tiros para cima, e com o megafone sobre o bigode fino, as luvas pretas de borracha, gritou em alto e bom som.
– Se não me derem um milhão, eu me mato!

/////