Pesquisar este blog

terça-feira, 17 de junho de 2008

A bolha ilumina-se (Entrevista com Nilto Maciel)













Registro histórico nos arquivos de O POVO: Nilto Maciel (à direita) ao lado do recém-falecido José Alcides Pinto (Foto: Banco de dados)



Em entrevista ao Vida e Arte Cultura, o escritor Nilto Maciel, autor de As Insolentes Patas do Cão, reflete sobre a literatura local e antecipa detalhes da nova versão de Panorama do Conto Cearense(Jornal O Povo, Fortaleza, Ceará, 15/6/2008)


O escritor argentino Julio Cortázar (1914-1984) costumava comparar a estrutura do conto a de uma bolha de sabão. Ele a descrevia como intrincada, concentrada e altamente volátil. De modo geral, sugere a pesquisadora Nádia Battella Gotilib em Teoria do conto, volume que integra a série Princípios, os bons autores partem do interior imponderável da bolha para uma exterioridade - a realidade - cuja estrutura também se articula de forma desordenada. Em seu livro, Nádia varre a história desse gênero controverso, porque cambiante, e a revira à procura das mais variadas explicações que já se deram na longa e mal-fadada busca por definições mais precisas de uma modalidade narrativa imprecisa. Escritor e editor da revista Literatura, Nilto Maciel, 63 anos, dedica parte do seu tempo ao exame da bolha de Cortázar. Em Panorama do Conto Cearense (2005), livro que ganhará versão ampliada e revista ainda neste ano, por meio do edital da Secretaria de Cultura do Estado do Ceará -, Nilto inventaria contistas de ontem e de hoje. Conciso, o livro também traz uma síntese cronológica dos principais autores e também dos periódicos e grupos literários que marcaram a história das letras cearenses. Em entrevista a O POVO, Nilto fala sobre a escrita do livro, a experiência de O Saco e a ausência de uma crítica literária no Ceará. (Henrique Araújo, especial para O POVO)


O POVO - Publicado em 2005 e prestes a sair em uma nova edição, Panorama do Conto Cearense tem um caráter de apanhado ou apresentação breve da produção literária de contos ao longo da história. Como foi o processo de pesquisa para a escrita desse livro?
Nilto Maciel - Eu tinha conhecimento dos contistas antigos, Oliveira Paiva, Herman Lima e outros. E também dos contemporâneos, da minha geração: Airton Monte, Carlos Emílio Correia Lima, Gilmar de Carvalho... O pessoal que surgiu em torno da revista O Saco. Depois fui embora pra Brasília. Fiquei 25 anos lá. Começava minha carreira literária, com dois livros publicados. Mas acompanhava o pessoal daqui. Todo ano eu vinha pra cá. Sabia das novidades de cá, recebia muitos livros autografados. Alguns escritores eu não conhecia pessoalmente. Por exemplo, Francisco Carvalho e Moreira Campos. Este eu devo ter visto umas duas vezes. Depois comecei a conhecer os novos, Dimas Carvalho, Tércia Montenegro, Jorge Pieiro, Pedro Salgueiro. O Panorama surgiu dessas leituras. Escrevi vários artigos sobre contistas cearenses. E aí, conversando com amigos em um bar, porque essas idéias sempre surgem em bar, a idéia surgiu. O Pedro (Salgueiro) perguntou: “Por que tu não escreves sobre o conto cearense?” Sânzio (de Azevedo, professor de literatura cearense da UFC) publicou um ensaio sobre o gênero. Braga Montenegro também. Eu fiquei instigado com as observações do Pedro Salgueiro. Passei então a ler e reler todo mundo, tanto os velhos como os novos, e passei dois anos escrevendo. Fui reler todos os contos do Juarez Barroso, do Moreira Campos, de todos. Ainda neste ano vai sair uma edição ampliada dele, aprovada em edital da Secult. Tem 300 páginas. Nele, eu coloquei um conto de cada grande autor analisado. Vai ter 25 contos. Por exemplo, junto à análise dos contos de Rachel de Queiroz ou Caio Porfírio Carneiro virá um conto deles. O título talvez seja Da Quinzena ao Caos, por sugestão do Sânzio de Azevedo. Eu queria Da Padaria ao Caos, mas A Quinzena, jornal de um grupo literário importante, é anterior à Padaria Espiritual. Espécie de ensaio da Padaria. Muitos dos autores padeiros estiveram n’A Quinzena.

OP - Quem foram os primeiros cultores da narrativa curta no Ceará?
Nilto - Oliveira Paiva e Adolfo Caminha. Os dois escreviam e publicavam nos jornais da época. Existiram outros contistas bons, mas que não se tornaram nomes nacionais. O Juvenal Galeno ficou mais conhecido como poeta. O Araripe Júnior não é tido como um bom contista. Esses foram os autores que marcaram o século XIX. No século seguinte, Gustavo Barroso e Herman Lima são dois nomes importantes.

OP - Que momentos da literatura cearense o livro alcança?
Nilto - Ele começa no século XIX, com Juvenal Galeno e outros, vai, sem se deter muito, até os anos de 1970. Passa por Rachel de Queiroz, Moreira Campos. Depois o livro se concentra nas gerações que deram origem ao O Clã, O Saco e Siriará. Passa por Airton Monte, Gilmar de Carvalho, Natércia Campos. Enfim, caminha até os anos 1990, quando surgem Pedro Salgueiro, Jorge Pieiro, Carlos D’Alge, Dimas Carvalho, Paulo de Tarso Pardal, Ronaldo Correia de Brito, Rinaldo de Fernandes, Tércia Montenegro e outros. Panorama do Conto Cearense vai até os primeiros anos do século XXI.

OP - Quais as diferenças existentes entre o seu livro e “Evolução e natureza do conto cearense”, do Braga Montenegro, ambos voltados exclusivamente para o conto produzido aqui?
Nilto - O trabalho do Braga Montenegro é mais crítico. Ele começa falando do conto mais amplamente, contextualiza bastante. Vai avaliando, mas fala pouco dos autores. Procurei fazer como uma enciclopédia. Não que o meu seja melhor. Posso chamá-lo de trabalho jornalístico, de um leitor curioso. Não me considero crítico. Sou apenas um leitor curioso, que cutuca os autores.

OP - No Ceará, os escritores parecem surgir a partir de revistas e de agremiações. Por que isso costuma acontecer?
Nilto - Acho que isso era comum. E continua um pouco. Menos hoje, com a internet. Com ela, pouca gente se atreve a criar revista impressa. Todo mundo cria revista na internet. Muita gente me procura, pede contos. Mas as revistas impressas são poucas.

OP - Ela acaba contribuindo para que menos revistas literárias circulem?
Nilto - Eu acho que contribui, sim. Mas tem mais gente escrevendo do que lendo. Só na área da literatura, é impossível acompanhar tudo que surge. Tem muito veículo, mas está faltando leitor. Por exemplo, surgiu em Porto Alegre a Bestiário. Eu nem conhecia o editor, que me pediu ajuda. Então mandei uns 500 contos de gente do Ceará e do resto do país. Boa parte foi publicada.

OP - Por falar em revistas, fala um pouquinho sobre a criação de O Saco.
Nilto - Foi assim. Na ditadura, quando a repressão começou a ficar muito forte, os diretórios acadêmicos foram fechando. Os jovens estudantes se aproveitaram dos mimeógrafos para fazer jornais literários. Saíram de cena os jornais contra a ditadura e vieram esses outros. Foi nesse tempo que fiz Intercâmbio, jornal que dialogava com gente de todo canto. Carlos Emílio Correia Lima perguntou por que a gente não fazia uma revista mais bonita, com um cuidado maior. Os suplementos tinham desaparecido. Os dois jornais que ainda tinham suplementos publicavam apenas os consagrados, os escritores mais conhecidos. A gente sentia muita dificuldade para publicar. Aí surgiu a pergunta: quem vai bancar a revista? Procuramos o Manoel Coelho Raposo. Eu e Carlos Emílio à frente. Apresentamos o projeto pra ele.

OP - Como era a revista?
Nilto - A revista era solta, sem grampos, dentro de um saco. Apenas quatro cadernos: poesia, contos, jornalismo e imagens. Começou com 7 mil exemplares. Coube ao Raposo ser o carro-chefe. Ele tinha dinheiro e conhecia os negociantes. A cada mês saía um número. No número 7, a crise se instalou. Houve um problema com a Superbancas, a empresa que fazia a distribuição em todo o País. Eles disseram que não iam poder mais distribuir porque não valia a pena, a tiragem era pequena. Muita gente achou ter sido a censura a causa do fim da revista.

OP - Esteticamente, quais eram as grandes preocupações de vocês?
Nilto - A minha geração tinha uma grande preocupação com a forma e em não ser regional. De ser mais universal, sem esquecer o regional. Não queríamos ser regionalistas. Queríamos uma linguagem mais universal.

OP - Voltando aos cânones da narrativa curta cearense. Que lugar ocupa, por exemplo, Moreira Campos?
Nilto - O de maior contista da história cearense. Ele se dedicou àquilo. Algumas pessoas dizem que ele é bom porque se dedicou só ao conto. Mas não é isso. Eu o considero o maior contista cearense. E acho difícil aparecer outro durante um bom tempo. Moreira Campos continua sendo o melhor. Mas gosto também do Dimas Carvalho. É um dos melhores da nossa terra. Bom contista e bom poeta. E cito também o Jorge Pieiro, que lembra muito o Gilmar de Carvalho. Pedro Salgueiro, Tércia Montenegro, Carmélia Aragão. Luciano Bonfim é mais revolucionário do que todo mundo. A Natércia Campos também é muito boa.

OP - Como você avalia essa produção mais contemporânea?
Nilto - A maioria dos contistas de hoje tem uma vontade de chocar maior. Mas cadê a preocupação com a linguagem, com o tema? Eu sou muito preocupado com a linguagem, a forma... A frase mal-construída. Falando especificamente do conto, se tem alguma novidade nele, se não é uma simples história, isso me agrada. Gosto dos contistas que fogem dos modelos. Aí eu anoto.

OP - Anota?
Nilto - Sim. Eu leio para encontrar defeitos. Eu sempre li e gostei de julgar o livro que leio. Leio sempre anotando. E ninguém vai querer o livro, porque está todo anotado. Tenho mais de 200 artigos sobre livros. Quando leio Machado de Assis, eu não risco nada. Leio por prazer. É assim com todos os clássicos. Mas quando o Pedro Salgueiro, por exemplo, me manda um livro, eu risco. Não costumo ler por prazer.

OP - Mas tem um prazer nesse tipo de leitura, certo?
Nilto - Tem, sim. Um prazer sádico (risos).

OP - E o que você lê hoje?
Nilto - O que é de hoje. Já li todos os clássicos. Posso até reler, mas por gosto. Tenho dez livros novos aqui em cima da mesa. Eu vou ler, esculhambar e elogiar. As pessoas me pedem pra fazer isso. Me mandam os livros. Eu pergunto: Você quer mesmo que eu comente? Não vai se zangar? Uma vez eu estava em um bar lá em Brasília. Uma moça me entregou os poemas dela e me pediu pra dar uma opinião sobre eles. Queria que eu lesse lá mesmo. Eu li. Ela disse: “E aí?” Eu respondi: “Sinceramente, não publicaria”.

OP - Voltando à questão dos “novos”. Em termos de conteúdo e forma, o que muda entre a geração atual e as que vieram antes?
Nilto - O Braga Montenegro fala de evolução do conto. Não acho que seja isso. Cada geração fala de um jeito. Na geração do Fran Martins os contos eram de dez, quinze páginas. Nos anos 70, o que mudou foi a linguagem. A linguagem do Pluralia Tantum, do Gilmar de Carvalho, é revolucionária. A estrutura frasal, a composição do conto, se você ler o Gilmar você diz que não é conto. Não tem enredo.

OP - Nos anos de 1970, ao lado do poeta satírico Glauco Mattoso, você organizou uma coletânea chamada Queda de braço: uma antologia do conto marginal. De onde partiu essa idéia?
Nilto - Na época, todo mundo se considerava marginal. Porque era todo mundo novo, sem dinheiro, desconhecido e sem condições de poder publicar. Pensei em organizar uma antologia do conto marginal aqui em Fortaleza. Na época, o Glauco andava querendo a mesma coisa. Não lembro se ele veio para cá ou se a idéia chegou até ele, em São Paulo. Mas o Glauco ficou sabendo e propôs: vamos fazer isso juntos. Você cuida do Norte e eu cuido do Sul. Não concordei com essa divisão e a gente reorganizou tudo. Queda de braço saiu em 1977. O título foi dado pelo próprio Glauco. Reuni contos de uns amigos e mandei pra ele. Foram publicados Carlos Emílio, Rosemberg Cariry, Airton Monte e outros.

OP - Pra finalizar, Nilto, como você avalia a crítica literária feita no Ceará?
Nilto - No Ceará, atualmente, não há crítica literária. O Sânzio é historiador, o Linhares é mais da academia. O Dimas Macedo elogia todo mundo. Críticos são F.S. Nascimento e Braga Montenegro. Existe a resenha, que é um artigo curto que fala bem de um livro para ser vendido. A crítica é para avaliar.
/////