Pesquisar este blog

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Conversa de Nilto Maciel com Pedro Du Bois


(Pedro Du Bois)

Como se trata de escritor desconhecido do chamado “público leitor” (que é bem pequeno), inicio a apresentação do meu interlocutor assim: Pedro Du Bois é um dos inúmeros escritores brasileiros que não estão nas poucas livrarias e bibliotecas públicas de nosso país. Sua obra (como a da maioria) se propaga em sites literários e livros de pequena tiragem. Tem mais de sessenta títulos editados por conta própria. Todos de poemas. Nasceu em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, em 16 de outubro de 1947. Vive em Itapema, litoral de Santa Catarina, há alguns anos. Isto é, não está incluído no roteiro literário do eixo-central do Brasil. Portanto, não está mais naquela fase de deslumbramento com a possibilidade de se tornar famoso nem frequenta a grande mídia. E foi isso também (primeiramente me encantei com a sua poesia) que me chamou a atenção. Por que não entrevistá-lo, mesmo sem o conhecer pessoalmente? Demorou um pouco a “conversa” (feita por correio eletrônico), ao longo de alguns meses: final de 2010 a março deste ano.

A entrevista:

Nilto Maciel – Você está inscrito como Editor-Autor junto à Biblioteca Nacional. Explique o que é isto, por favor. Como editor-autor, você edita artesanalmente suas obras e as distribui a bibliotecas, amigos e simpatizantes da literatura. Ou seja, você “trabalha” como editor e distribuidor de sua obra. Isto o satisfaz? Não lhe parece injusto este tipo de mercado?

Pedro Du Bois – Há menos de 10 anos comecei a escrever de forma sistemática. Sou tardio. Sem ter conhecimento do mercado editorial, e morando no interior, fui atrás do que seria necessário para publicar um livro. Descobri que sem “nome” e “posição” jamais conseguiria uma editora que não me cobrasse caro e que fizesse a distribuição comercial dos volumes. Beco sem saída. Informando-me, fui ao site da Fundação Biblioteca Nacional e cheguei ao ISBN. Verifiquei que poderia me inscrever como editor-autor e, assim, ficaria dispensado de contratar ou ser contratado por uma editora formal. Também, precisei resolver a questão da ficha catalográfica que, por lei, precisa ser assinada por bibliotecário registrado e em atividade junto ao Conselho Regional de Biblioteconomia, o que não temos em Itapema, Em Florianópolis, a bibliotecária (Biblioteca Estadual) disse-me que faria “por fora”, cobrando 30% do valor do salário mínimo; a CBL, respondeu-me cobrar para os não associados (e eu não poderia me associar) 20% do salário mínimo. Fui salvo pelo Clube dos Escritores Piracicaba, em convênio existente com a UNIMEP, através da sua bibliotecária. Passei a editar meus livros em casa, artesanalmente; uma gráfica local faz a grampagem e o refilamento; minha mulher, Tânia, cria as capas (além da revisão e organização dos poemas). Com tiragens mínimas, que distribuo entre escolas, bibliotecas, amigos e amantes da literatura. Assim, posso “ditar” as minhas edições, atualmente com cerca de 70 títulos. Busco pessoas com interesse na área e em meus textos, para apresentações e prefácios. Com isso, atendo apenas as minhas possibilidades em termos editoriais. Não me satisfaço como escritor, pois são restritas as minhas chances de aproximação com os leitores. Com editoras formais tenho apenas 3 títulos, Os Objetos e as Coisas, Scortecci, SP, como prêmio por haver vencido o Concurso Literário da Livraria Asabeça, 2005, na categoria poesia; A Criação Estética, Editora Corpos, Portugal, 2009, através do site WAF, contra a entrega dos direitos autorais; ainda à venda no referido site; e Seres, feito em casa, com o selo da Sarau das Letras, por deferência do editor-escritor Clauder Arcanjo.

Compreendo, caro Nilto, que o mercado editorial sobrevive de negócios. Em nosso país, poucos são os leitores e, mesmo assim, “abarrotados” em pseudo romances e auto-ajudas. Literatura, muito pouco. Prevalece o “negócio”, quase sempre no “toma lá, dá cá”. Os diversos níveis governamentais pouco querem saber da produção literária: há dinheiro para dança, capoeira, surf, carnaval etc e tal. Para uma ideia mais precisa, tanto no governo do estado de Santa Catarina, quanto na prefeitura de Itapema, a cultura (e nem falam em literatura) está incluída na Secretaria de Esportes, Cultura e Lazer.

Há a lei do mecenato, mas, por exemplo, ano desses comecei a preencher os questionários da Petrobrás, desisti antes da terceira página. Não há chance, a não ser que se contratem escritórios especializados, tal a complexidade burocrática que cercam tais eventos.

Tenho consciência de que, para alcançar público maior, teria de abrir mão da minha concepção criadora e redacional. Gosto do que faço, não tenho vontade, nem condições de alterar meu conteúdo e formato.

Acho injusto não ter a oportunidade de trabalhar meus poemas junto ao público, mas, satisfaço-me com os retornos que, diariamente, tenho recebido. Sem contar a gentileza encontrada em tantos sites e blogs que sempre estão a me acolher, como em seu espaço.

NM – Os blogs literários são substitutos das editoras? Não teria chegado a hora derradeira das editoras? Numa nova divisão do “mercado das letras”, às editoras caberia publicar a Bíblia, o Corão, pensamentos de gurus, romances de aventuras, etc. Ficaria com os blogueiros (escritores) a “tarefa” de divulgar poesia, contos, romances, crônicas, crítica literária, etc. Não precisa ser profeta para imaginar o novo mundo, mas você pode falar disso?

Pedro – Transformada em negócios, a literatura “como expressão da condição humana” não tem espaço nas editoras tradicionais. Até pode acontecer de um ou outro nome, aqui no Brasil; ou, quem sabe, em países mais estruturados do ponto de vista cultural. Agora, a “massa” de leitores é atendida em textos padronizados, homogeneizados, sem profundidade, sem lítero-filosofia, sem a abordagem do leitor como ser humano, contraditório, frágil, porém interessado em melhorar o seu relacionamento com a cultura dos diversos povos e das diversas visões. As editoras negociais se atêm aos romances novelísticos, aos poemas de mesmas coisas, e à indústria dos livros pagos por demanda. Difícil entrar em uma livraria e dela sair com a certeza de que estão vendendo literatura. Como a Feira do Livro de Porto Alegre, por exemplo, que mereceu o comentário do jornalista Juremir da Silva de que lá até havia objetos com o formato de livro, mas, livro, mesmo, quase nada. Outro exemplo de como estão invertidos os procedimentos reside nos tantos livros oriundos de scripts cinematográficos e ou televisivos, ou seja, troca-se a filmagem da história pela edição em papel do que foram as filmagens.

Gosto muito do formato papel, entendo que nada o substitui. Talvez seja a minha idade, o gosto em ter as mãos sobre o papel. A possibilidade da anotação ao pé da página; o sublinhar de algum diálogo e/ou palavra; a abertura do livro na página pré-demarcada.

De outro lado, vistos os “negócios” a cercar a edição dos livros e suas implicações em relação ao que entendo por literatura, com certeza a internet tem se destacado no surgimento de novos e bons escritores. Mas a rede é dispersa e esgarçada. Todos os dias sou surpreendido com novos (ou nem tão novos) escritores. Alguns, bem relacionados, são totalmente desconhecidos na página seguinte. São difíceis os retornos: escritores, parece-me, gostam de escrever; também são bons leitores, mas não são contumazes e constantes interlocutores. Até porque, salvo os escritores-acadêmicos que escrevem e descrevem o fazer literário (que em geral estão posicionados contra a internet como local de disseminação da literatura), mesmo que defendam com cada vez mais interesse e ímpeto as letras tradicionais (ouvi de um acadêmico da ABL, em Curitiba, que poesia é métrica e rima, pois, se não houver métrica e rima, como ele poderia efetuar a comparação?), no geral os escritores são pessoas que entendem ter algo para transmitir, mesmo que disso não tenham o conhecimento teórico, nem se valham de arcabouços pré-estabelecidos.

Tenho a internet como “campo” de resistência da nova e boa literatura, descompromissada dos “negócios” editoriais; libertário e renovador, mesmo que marginalizado, como parece ser – enquanto perdurarem as editoras tradicionais e a (não) visão cultural das autoridades constituídas – o futuro das letras.

NM – Você escreve todo dia, tem horário para escrever, entende que escrever é ofício, dedicação, ou espera a poesia acontecer? Seja como for, de onde vem a poesia? Dos livros, da memória, da vida fora de você (pessoas, coisas, animais, fatos), do espaço, do éter, de Deus ou dos deuses? É preciso buscá-la, fazê-la, ou ela É, Está, bastando ao Poeta captá-la, colhê-la, como se fossem borboletas, nuvens, mistérios em constante passeio?

Pedro – Caro Nilto, escrever faz parte do meu dia a dia. Basicamente, escrevo todos os dias, sem horário fixo. Nem ofício, nem dedicação, nem espera. Necessidade. E quando não estou escrevendo, geralmente, estou lendo e/ou revisando meus textos. Às vezes, as ideias me ocorrem: uma palavra solta, o sentido em alguma leitura, a visão antecipada e o diariamente. Todos e tudo concorrem como inspiração. Nada acontece por acaso. Mas nada se oferece como mistério. Gosto de trabalhar temas e palavras; decompor palavras em palavras menores. Da oposição existente em termos correlatos e/ou parecidos. Da grafia. Da recuperação do significado. Desenvolvi em minha vida profissional a capacidade de “ver” o indevido, o que está fora do padrão, o que está errado ou o que é dispendioso. Não gosto da perda. Afinal, tantas administramos em nossas vidas. Leituras me oferecem inspiração pela abertura em relação aos temas e assuntos. O que deixou de ser dito, o que está nas entrelinhas e por trás das palavras. A indistinção entre o humano, o animal e o objeto. A abstração: retirar da concretude a inexistência e a transformá-la em palavra.

NM – Qual o lugar da poesia escrita? Na estante de outros poetas? Nos livros didáticos, para ensinar meninos a ler? Nas bibliotecas públicas, para satisfazer a curiosidade de ensaístas malucos? No lixo, para ser reciclada, virar filme, música, game, objeto de decoração, suvenir, frente verso de camiseta?

Pedro – Todas as opções podem estar corretas. Mas acrescento a leitura por parte de interessados ávidos por poemas. Pessoas que verdadeiramente se interessam pela poesia como literatura. Obviamente que como não temos “escolas” poéticas, difícil fica internalizar o espírito da poesia. Incutir nas pessoas a faculdade de interagir com o texto, vivenciar e multiplicar metáforas, discutir e realizar o exercício poético necessário ao acompanhamento dos textos, por mais herméticos que sejam. Os “mentores” da nossa sociedade, consumista ao extremo, tentam objetivar o conhecimento e o raciocínio, mas, como sempre, boa parte da população – mesmo consumidores – (ainda) busca se realizar no plano intelectual. Tenho a pretensão de que a poesia não tem limite de validade, nem irá se acabar como literatura, pois a incerteza que permeia nossas relações em relação ao outro e aos outros, e sobre o nosso destino, sempre estará presente em cada pessoa, mesmo que no recôndito de suas almas. Ou num último estertor a separar nossos espíritos da materialidade que nos rodeia em objetos e coisas.

NM – Você escreve todo dia para quem? Para Tânia, para leitores desconhecidos e conhecidos ou para você mesmo? Você se esforça para que a sua poesia não se pareça com anúncio publicitário, notícia, comentário, informação (é o que mais se lê por aí) ou essa dicção é natural em você?

Pedro – Talvez a resposta tenha sido, em parte, respondida na pergunta anterior, quando disse sobre as minhas razões para escrever. Escrevo para o “outro”; seja eu mesmo, seja efetivamente o outro, mesmo que tal não esteja plenamente consciente em mim. O “outro”, como meu interlocutor, permite a fluência dos textos. Por mais hermético, pessoal ou íntimo, todo poema, para mim, é forma de diálogo. Aqui, como na questão anterior, também as demais respostas estão corretas. A Tânia é minha frequência como inspiração e complemento; os conhecidos e os desconhecidos leitores habitam meus temas com suas leituras e retornos. Também sou meu leitor, porque a palavra é meu inconsciente aflorado, mesmo que metaforicamente. Afinal, de quantas infâncias somos feitos, não?

Quando comecei a escrever, metódica e sistematicamente, tive o cuidado de fugir ao lugar comum. Não que me pretenda “difícil” ou “pedante”, mas porque não há razões para eu iniciar a escrever, depois de certa idade, se não for para produzir algo que fuja ao corriqueiro, mesmo que me utilize de formatos não revolucionários, ou que meu palavreado não se esgarce em citações e/ou termos de difícil entendimento. Procuro fazer com que a palavra comum, diria, possa se estender em significados, sendo significante além do estrito sentido do termo. Essa é a minha dicção, naturalmente, sem necessidade de esforço, contenção e desdobramentos acadêmicos.

NM – Não sei o que mais lhe perguntar. Se você quiser, faça sugestão de pergunta. Agradecerei muito. Ou então encerre a entrevista com um recado aos seus leitores.

Pedro – Caríssimo Nilto, agradeço pela sua paciência para comigo. Não tenho como me fazer qualquer pergunta. Aos leitores digo que a leitura – sempre e sempre – é o motor cultural. Existem outras formas de expressão, mas todas passam pela leitura: esboço, arcabouço, traço, letras, palavras. As explicações necessárias ao entendimento da obra – mais das vezes – passam pelo relato, recado, cartas e bilhetes. Mesmo que os textos, ao serem lidos, não sejam do nosso agrado e não nos alterem o sentimento nem os sentidos, são necessários ao entendimento do todo e, principalmente, à possibilidade de vermos neles o futuro. Recomendo a leitura atenta e diária. As anotações. O sublinhar. A atenção despertada em entrelinhas. Quando me canso da leitura, escrevo. E procuro transmitir com as minhas palavras o tanto aprendido e apreendido nas leituras. Interessantes essas minhas colocações, pois, ontem, minha neta mais velha teve o prazer da leitura pela (sua) primeira vez. Deliciou-se. E quer mais.

Fortaleza (CE)/Itapema (SC), março de 2011
/////