Pesquisar este blog

terça-feira, 26 de julho de 2011

Ser escritor (Francisco Miguel de Moura)

Escritor brasileiro

Que é ser escritor? Eis uma questão que gostaria de discutir em termos elevados, na sua parte intelectual, ética, espiritual, e não apenas no que se atém à matéria.

Entretanto, como começo de conversa, diga-se que escritor não é profissão oficializada. Ninguém pode aposentar-se como escritor nem declarar a profissão na ficha do hotel, mesmo que viva com os rendimentos, o trabalho de escritor. Uma realidade não reconhecida. O escritor existe. E como existe!

Pior é que, num mundo “globalizado” como o nosso, em que profissões até bem pouco reconhecidas estão deixando de existir, e é possível que a profissão de escritor jamais venha a ser oficializada.

Mas não deixa de ser fascinante saber-se que alguém, por um passe de mágica, consegue tirar um novo mundo de sua cabeça, apenas com os conhecimentos adquiridos, e através da palavra. Pode construir um estilo como Mário de Andrade, Graciliano Ramos, José Cândido de Carvalho, Guimarães Rosa, Carlos Drummond de Andrade, João Cabral de Melo Neto, Fontes Ibiapina, O. G. Rego de Carvalho, Alvina Gameiro, José Saramago, Jorge Amado. Pode construir uma doutrina como Moisés, Jesus, Maomé, Gandhi...

Ser escritor é ser perigoso porque é lutar com a liberdade. Embora tenha dito Drummond que “lutar com a palavra é a luta mais vã”, não é tão vã assim, senão muitos não se honrariam de ser romancistas, contistas, poetas. Ser escritor é ser inventor de palavras, de discurso. E ser inventor é ser poeta.

Eu prevejo um mundo feliz assim, em que todos, ou quase todos, busquem suas origens e a origem das coisas, em que todos serão poetas, criando e recriando mundos. Porque Deus foi poeta. Cristo foi poeta. Poetas foram todos os profetas, inclusive o guerrilheiro Che Guevara, nas Américas. Para que poesia mais completa do que o Sermão da Montanha?

De alguém que sabendo ler, escrever e contar, e além disto dê a maior parte de sua preocupação vital para escrever poemas, de alguém que seja assim nunca ouvi falar que tenha entrado para o mundo do crime. O mundo da poesia é um mundo espiritualizado, que saiu da imundície e galgou o céu. Já o mundo do homem que se entrega ao crime, seja pela droga, seja através de sequestros, assaltos, etc. é um mundo de derrotas, de descida ao inferno. Mundo infeliz. Vejo os criminosos como pessoas que desceram à condição mais vil, mais primitiva a que possa chegar o homem. E poucos, por isto mesmo, têm volta.

Os escritores são os donos da palavra. Quando os discursos ficam velhos eles inventam outros, e os renovam. São antenas ligadas a tudo o que acontece no mundo, a fim de que, diante das novidades, e principalmente do novo, coloque o seu discurso simbolizante. Não se trata daquela palavra fixa, pedra, que não amolga. Nada disto. A palavra do escritor é a imagem do homem e da sociedade, é a vida na sua fluidez, tanto para diante como para trás, para dentro como para fora, buscando o mítico, o desconhecido ser que somos e seremos por muito, muito tempo.

Portanto, zombem quanto queiram do escritor, do poeta, do comunicador. Seja através do jornal, da revista, do livro, do computador, da internet, ou pela palavra falada na televisão e no rádio, é sempre a sombra do escritor que acompanha. A palavra falada, quando escrita, ganha outra vida. Não há história sem palavra, sem arte. Não há ciência sem arte, sem palavra. Não há vida sem palavra. Ela é o nosso sinal. O verbo é que fez o homem. É que faz o homem.

Eis, portanto, a razão do mistério do escritor, do poeta. Da auréola de grandeza, de força, de beleza, de poder que o cerca.

Quando não houver mais a palavra escrita, o homem civilizado desaparecerá da face da terra, e sobre esta reinará a treva, como no princípio. Não esperemos que um dia a profissão seja oficializada. De qualquer forma ela é divina, desejada, amada, odiada, mas sempre um símbolo da alma.

____________
Consulte:
/////