Pesquisar este blog

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Fronteiras (Pedro Du Bois)




Na fronteira passo minha inexistência.
Trêmulas bandeiras desencontradas
evitam a minha mão. Desfaço os nós
presos ao estribilho e torno o hino
impatriótico na universalidade.
Espaço o caminho das ultrapassagens.
Ao lado é estar aqui na consequência.

/////