Pesquisar este blog

domingo, 18 de setembro de 2011

A bolsa e o Channel (João Soares Neto)


Não dormira bem, apesar do velho Vallium que a acompanhava havia anos. Acordara cedo e sentira o absorvente higiênico empapado. Foi ao banheiro, tomou uma ducha quente demorada, penteou os fartos cabelos ruivos, cuidou da maquiagem com tudo que Esther Laudée oferecia e mirou o corpo no grande espelho embaçado pelo vapor. Passou a manga felpuda do roupão Gucci e gostou do que via. Era ainda a moça bonita que largara tudo em Chicago e recomeçara a vida em Nova Iorque, a cidade que lhe dera aquele pequeno, mas valioso loft em TriBeca. Solitária, mas tinha os seus homens. Usava-os, dava um beijo de despedidas, lavava-se, tomava o seu Vallium e deitava solitária na larga cama entre lençóis de seda e fofos travesseiros que abraçava em posição fetal.

Abriu o armário e encontrou apenas um absorvente. Passaria na loja de conveniência no subsolo do seu trabalho na Torre Norte e compraria uma caixa. Ligou a cafeteira, colocou duas fatias de pão integral na torradeira e tomou o suco de tomate junto com o quotidiano Prozac. Sentou quieta e bebeu cada gole do café quente e encorpado. Mordiscou, distraidamente, uma torrada sem geléia para não engordar, escovou os alvos dentes e pincelou os lábios com o novo lançamento de batom. Escolheu um vestido negro de botões cinza escuro como se fora uma túnica chinesa. Era adequado para aquele setembro ainda quente. Mudou os pertences para a bolsa Louis Vuitton combinando com os confortáveis e altos sapatos que faziam do seu trajeto diário uma passarela imaginária.

Tinha tempo ainda. Desceu ao subsolo, escolheu um pequeno pacote de absorvente higiênico, colocou na cestinha e viu na gôndola próxima um vidro de Channel nº 5. Era a velha tentação. Olhou para os lados e não teve dúvida em colocá-lo na bolsa. O calafrio criava o clima. Era um misto de medo, desafio e prazer. Já discutira isso dezenas de vezes com o seu analista. O desejo furtivo de roubar nada tinha a ver com necessidade, era um impulso incontrolável. Não importava que tivesse o nome de cleptomania. Nunca fora apanhada. Cuidadosa, olhava sempre para os lados e fugia das câmeras.

Dirigiu-se a um dos caixas, tirou o absorvente da cestinha, mostrou o cartão de crédito, mas não viu o segurança que acompanhara tudo de longe. Polidamente, mas incisivo, solicitou que o acompanhasse a uma cabine especial. Uma mesa branca, uma cortina de veludo negro e luz forte. O segurança pediu que colocasse todos os pertences de sua bolsa sobre a mesa branca. Ela relutou, mas parecia estar sentindo um estranho prazer em ser apanhada. Em meio a seus pertences, lá estava o vidro de Channel nº 5 ainda com a tarjeta magnética. O segurança tocou uma campainha, ao mesmo tempo em que ecoavam imensos e prolongados estrondos. Uma viga de aço o atingiu mortalmente, grandes blocos de pedra caíram em meio à poeira formando uma espécie de escudo protetor para ela, enquanto a fragância do Channel nº 5 se evolava pelo chão, misturando-se ao sangue que saía da fronte do segurança.
/////