Pesquisar este blog

segunda-feira, 28 de agosto de 2006

O diário de Judas (Nilto Maciel)




Por que estás abatida, ó minha alma?
Por que te perturbas dentro de mim?
Salmo 42 — O Livro dos Salmos

Cansado de mirar os quadros pendurados às paredes, João Batista se pôs a andar pela sala. Olhava para o chão, as pontas dos pés, em passo cadenciado de sentinela. Sentiu dor na nuca, parou perto da mesinha de centro e bruscamente levantou a cabeça. A lâmpada acesa parecia o Sol ao meio-dia. Martirizava-o a liberdade de ir e vir dentro de casa. Ninguém para falar mal das autoridades. Ninguém para lhe fazer perguntas cotidianas. Ninguém para incomodá-lo, até mesmo insultá-lo.
Talvez na rua encontrasse um homem revoltado. Ouviria mil ofensas ao Presidente, ao Governador, ao Prefeito. Poderia mesmo dar de frente com um policial astuto que visse nele o monstro da Rua Morgue. Tentaria convencer o polícia de que nem sabia onde ficava tal rua.
Na pior das hipóteses, um bandido o assaltaria. Durante alguns minutos se veriam frente a frente. Trocariam palavras, mesmo ásperas. O desalmado salteador levaria seu relógio, seu dinheiro, seus sapatos.

Não, nada de violência. Com certeza a rua estaria repleta de belas mulheres. E pelo menos uma delas solitária, necessitada de companhia.

João Batista baixou a cabeça, olhou para a porta fechada e partiu em busca da companheira ideal.

Mal chegou à rua, avistou a banca de jornais. E qualquer coisa o conduziu até lá. Talvez o bigode do jornaleiro.

— Já chegou o Diário?

João Batista nem ouviu a resposta. Nem sequer olhou para o enorme bigode do homem. Um jornaleco qualquer anunciava o leiloamento do diário de Judas Iscariotes.

— Quanto custa?

Meteu a mão no bolso, agarrou o jornal e se retirou. Queria ler sossegadamente aquela notícia maravilhosa.

O jornaleiro assanhou o bigode e pôs-se a contar dinheiro.

João Batista refestelou-se num banco da praça e arregalou os olhos para as letras do jornal. Interessava-lhe o diário do apóstolo da traição. Nada de abalos sísmicos, viagens de naves soviéticas, descobertas de animais pré-históricos. O discurso do Presidente não merecia comentários. O jogo de futebol, a cotação do dólar, as belas pernas da miss — tudo sem atrativos.

Um velho de roupas sujas e rasgadas aproximou-se dele e pediu uma esmola.

— Pelas chagas de Jesus! — completou.

João Batista olhou para o pedinte, sorriu e mostrou-lhe o jornal.

— Leia isto primeiro.

— Eu não sei ler, meu senhor.

— É uma notícia muito interessante. Fala do diário deixado por Judas.

— O traidor, aquele que entregou Jesus para ser crucificado?

— Sim, aquele mesmo.

O mendigo pediu licença para sentar-se. Sentia-se cansado, faminto, solitário.

— Na verdade, são apenas trechos, partes do diário. Foram encontrados em Jerusalém por um grupo de pesquisadores suecos. Escritos em hebraico.

— Deviam ter queimado tudo — observou o velho.

— Nada disso, meu amigo. Trata-se de um documento valiosíssimo.

— Que valor? Essa coisa não vale nada. Um homem que nem Judas...

— Pois fique sabendo que o tal escrito foi leiloado em Nova Iorque e o ganhador pagou uma fortuna.

— Deve ser algum judeu — advertiu o mendigo.

— Não, é um inglês chamado John Mock.

— É um nome engraçado.

Uma jovem a rebolar-se olhou de soslaio para os dois homens. Nenhum deles se interessou pelas ancas dela.

— Sabe o que Judas escreveu?

— Não.

— Ele fala o tempo todo de sua grande angústia de oprimido. Odiava os opressores romanos e lutou a vida toda contra eles. Ouça só essa frase: “Os meus ossos já se apegam à pele, por causa do meu dolorido gemer”.

— Deve ser tudo mentira — rosnou o pedinte.

— Ele acusa Jesus de trair a causa dos judeus, de não se dedicar à luta contra os romanos.

— Isso é uma heresia, meu senhor!

— Não sei do que se trata. E, se for heresia, isso não tem a mínima importância histórica.

— O que o senhor quer dizer?

— Escute esta outra frase: “Vou passando, como a sombra que declina”. É poético, não é?

— Vou me retirando.

— Espere, espere um pouco. Deixe-me ler o resto da notícia.

Nada, porém, impediu a retirada do mendigo. Irritado, João Batista rasgou o jornal e levantou-se do banco. A passos largos, tentou reencontrar o velho de roupas sujas.

Mais adiante parou, lembrou-se do jornal e se pôs a andar.
/////