Pesquisar este blog

terça-feira, 26 de junho de 2012

Estilo de vida na poesia (Tânia Du Bois)


Desenho de Karmo (http://www.karmo.com.br/)

“Ser diferente é bom, ser indiferente é que não é”. Fazer diferença é conceber um estilo de vida na poesia. O poeta é um dos eixos norteadores da literatura. Vale lembrar o escritor Ernani Rosas, do início do século passado, que deixou a marca da sua diferença na poesia: “Vida é volúpia, tântalo e agonia! / desgraças mil, letras vencidas, um homem / que perdeu a razão por ironia / da sorte, que os mil nada nos consome”.
Para sentir a diferença é necessário se tornar leitor de poesia. E como eu, milhares de pessoas gostam de ler e apreciar as formas que fazem diferença no dia a dia, como prazer, como forma de aprender e de compreender o mundo.

Pessoas de diferentes raças e culturas leem por algum motivo. Existe o livro/autor perfeito para cada leitor. Esse é o estilo de vida que determina, ou não, o desenvolvimento intelectual, podendo expandir a poesia como literatura e cultura. Para Octavio Paz, a poesia é “exercício espiritual”, mas, também, ”uma atividade revolucionária e experiência histórica”.

Ressalto os poetas pelo interesse em evocar a paisagem cultural, com livros de poesia onde nos mostram, em visão panorâmica, a preocupação pelo desenvolvimento como cultura, como estilo de vida, que mostram as transformações no nosso tempo. Segundo Ruy Espinheira Filho, “... O poema se dilui na brisa, nos / olhos que se voltam...”; Hermenegildo Bastos, "a poesia é sonho em demasia...”; Ferreira Gullar, “... pretendo que a poesia tenha a virtude de, em meio ao sofrimento e ao desamparo, acender uma luz...”; Clauder Arcanjo, "Um dia resolveu fazer um poema... A multidão parou mais ... atenta. O poema acendeu a tarde inteira.”; Carmen Presotto, “... Aspira o verso / que toca Rosa / e vive.” e Pedro Du Bois, “O poeta amplia a palavra na necessidade de ser a compreensão do que revela.”

A poesia tem seu estilo na intenção de provocar “um olhar atento”, para chegar aos nossos dias tecendo diálogos importantes em função da arte. Ela pode entrar na passarela da moda e na rota da cultura. Bom gosto e elegância andam juntos com a literatura e o talento; por isso, optar por um estilo de vida na poesia, não vendido, e sim conquistado, faz a diferença. Montaigne declarou que “... é uma das formas de felicidade, e isto é um estilo de vida conquistado”.

Licurgo Costa, por sua vez, disse que “... ao que me agrada ler, digo, para começo de conversa, que a gente muda muito com o correr do tempo. De poesia sempre gostei”.

/////