Pesquisar este blog

sexta-feira, 19 de julho de 2013

A morte do poeta /ensaísta César Leal (José Mário da Silva)



                                              

Tive a ventura de conhecer e ouvir César Leal nos monumentais Congressos Brasileiros de Teoria e Crítica Literária, nunca mais igualados nas plagas campinenses, os quais, sob a inspiração e comando da professora Elizabeth Marinheiro, ancorada no porto seguro de um pequenino e operoso exército de cooperados voluntários, projetaram a imagem de Campina Grande para além das fronteiras nacionais e se impuseram como tribunas do pensamento livre e altamente qualificado no campo desbordante da literatura.
De aparência física frágil, e sempre elegante na posse de impecáveis ternos, César Leal brilhava na apresentação de exposições ensaísticas firmes, essencializadas pela indisfarçável força exibida pelo consórcio entre erudição, rigor teórico e imaginação, sobretudo quando essa tríade debruçava-se sobre o universo da fenomenologia poética, acerca do qual o criador de O Tambor Cósmico exibia invulgar e invejável conhecimento, tendo dedicado a ele inúmeros e competentes estudos, alguns dos quais premiados nacionalmente. Dimensões Temporais na Poesia, por exemplo, dois soberbos volumes de ensaios voltados para a poesia contribuiu, decisivamente, para que o escritor cearense-pernambucano recebesse um consagrador prêmio da Academia Brasileira de Letras em reconhecimento ao conjunto da sua importante obra de teórico e crítico da literatura. Portadora de vasto interesse epistemológico, a sua ensaística acolheu um número considerável de escritores, tais como Jorge de Lima, Ariano Suassuna, Ascenso Ferreira, Dante, Camões, Drummond, Thomas Mann, Antero de Quental, dentre outros que foram alvos prediletos das suas eruditas abordagens. Profundo conhecedor de várias vertentes da Teoria e da Crítica Literária contemporânea, tendo recebido o título de portador de Notório Saber, César Leal, em sua práxis exegética, nunca se mostrou refém de nenhum paradigma teórico em particular; antes, soube de cada um deles valer-se de maneira parcimoniosa, como um meio para se atingir o pulsante coração da obra de arte literária; e não como um fim em si mesmo, vício metodológico em que se comprazem certos estudiosos da literatura, cuja hermenêutica torna-se, por isso mesmo, árida e quase impenetrável. César Leal pensou a palavra da literatura como um instrumento por meio do qual o esteta da linguagem age, transformadoramente, no mundo. Além de crítico respeitado, César Leal foi um grande poeta, dos maiores que a literatura brasileira já produziu, atingindo, em alguns momentos, pontos de altíssima voltagem lírica, a exemplo do que ocorre em livros como Tambor Cósmico e Triunfo das Águas, nos quais a tecelagem verbal do autor, a que se acumplicia uma mundividência rica e densamente plural, revela um artista da palavra completo, íntimo dos temários que cultivou e na plena posse dos recursos retórico-estilísticos que soube mobilizar com singular mestria. Para José Guilherme Merquior, uma das mais prodigiosas inteligências brasileiras de todos os tempos, César Leal “é até agora o poeta mais preocupado com a teoria do poema”. A morte de César Leal, por falência múltipla de órgãos, ocorrida, há alguns dias, na cidade do Recife, impregna de luto a República das Letras do Brasil.

*Docente da UFCG
/////